Author Archives: ladyruskita

Bolachinhas de banana e passas de uva

72

“Gosto mais de ti que de bolachinhas” é a minha declaração de amor favorita 🙂 .

Obviamente depende das bolachas mas isso seria uma outra discussão 🙂 Mas esquecendo as declarações de amor pirosas, esta Primavera está a soar a Inverno e à parte desta constipação safada que não me deixa disfrutar este frio gostoso e chuvinha boa, só me apetecem fazer/comer bolachas gostosas a acompanhar com litros de chá bem quentinho.

A verdade é que independentemente do tempo que se faz sentir, gosto de fazer bolachas todo o ano e lá está, dependendo da temperatura, ou vão com um chá bem quentinho ou com um refresco ou mesmo com uma Katiette 😉 (sumol de laranja com groselha).

Estas bolachas são de-li-ci-o-sas!!! Obviamente convém que se goste de bananas e de passas de uva 😉 se for esse o caso, vão adorar, acreditem 😉 .

(adaptado de 750 g)

Ingredientes: (para cerca de 25 bolachinhas médias)

– 200 g de farinha de trigo sem fermento

– 100 g de flocos de aveia finos

– 1 colher de chá de fermento tipo Royal

– 1 ovo

– 150 g de manteiga à temperatura ambiente

– 75 g de açúcar branco

– 75 g de açúcar amarelo

– 1 colher de sobremesa de extracto de baunilha

– 1 banana grande esmagada

– 150 g de passas de uva

Preparação:

– Ligar o forno a 165ºC;

– Numa taça misturar a manteiga com os açúcares e o extracto de baunilha até obter uma mistura cremosa e homogénea;

– Juntar o ovo e a banana e misturar muito bem;

– Juntar a farinha, o fermento e os flocos de aveia e misturar muito bem novamente;

– Por fim envolver bem as passas de uva;

– Com a ajuda de uma colher fazer pequenas bolinhas com a massa e colocar num tabuleiro forrado com papel vegetal;

– Levar ao forno por cerca de 15 minutos ou até estarem douradinhas;

– Retirar do forno e deixar arrefecer no tabuleiro cerca de 5 minutos antes de transferir para a rede para arrefecerem completamente.

– Podem sempre saltar o passo anterior e comer as bolachas à medida que vão saindo do forno 😛

Muka dourada*

Tarte de curd de limão e verbena com physalis

71

Apesar de ser uma amante confessa de plantas nunca fui a pessoa mais prendada para tratar delas e conseguir que elas sobrevivam mais que algumas semanas (é o chamado toque verde inverso 😉 ). Acontece que nos últimos tempos (talvez seja a ternura dos trinta-e-quase-entas 🙂 ) as plantas têm conseguido não só resistir mas mostrar a sua alegria por conviverem comigo, ele é orquídeas que dão flor, ele é physalis que dão frutos do tamanho de pequenas ameixas, enfim, é A loucura no Reino das Plantas :).

A propósito das physalis estarem a dar frutos de uma forma tão prolífera decidi experimentar fazer uns docinhos com elas. O sabor da physalis é bastante aromático e ácido e portanto nem sempre do agrado geral mas a sua conversão para compota retira-lhe bastante acidez e torna o sabor ainda mais interessante.

A receita que vos trago é de uma tarte deliciosa mas assumidamente ácida (pelo lemon curd e um pouco pelas physalis) e com um travo ligeiramente floral (da verbena e das physalis). É assumidamente diferente mas muito gostosa, espero que gostem ;).

(adaptado de: Food and Wine)

Ingredientes:

Massa

– 120 g de farinha de trigo sem fermento

– ½ colher de chá de canela em pó

– 112 g de manteiga (à temperatura ambiente)

– 60 g de açúcar branco

– 1 ovo

– ½ colher de chá de extracto de baunilha

– Raspa da casca de ½ limão

– Raspa da casca de ½ laranja

Lemon curd

– 120ml de sumo de limão

– 200g de açúcar

– 3 gemas (ligeiramente batidas)

– 125g de manteiga (em pequenos cubos)

– 20 g de folhas de verbena secas

 

Compota de physalis

– 170 g de physalis frescas

– 80 g de açúcar branco

– sumo de uma laranja

– 50 ml de H2O

– 15 ml de Licor Beirão

– ½ colher de sobremesa de extracto de baunilha

Preparação:

Massa

– Numa taça misturar a farinha com a canela;

– Noutra taça misturar a manteiga com o açúcar até obter uma mistura fofa. Juntar o ovo, a baunilha, as raspas e misturar bem;

– À mistura da manteiga juntar a farinha (em duas ou três vezes);

– Levar a massa a repousar no frigorífico por pelo menos durante 1 hora;

– Retirar a massa do frigorífico e estender de forma a obter um disco de massa com cerca de ½ cm de altura;

– Forrar uma tarteira com a massa e levar ao frigorífico por mais 1 hora;

– Ligar o forno a 170 ºC;

– Retirar a tarteira do frigorífico, forrar com uma folha de papel vegetal e colocar feijões secos ou contas de cerâmica e levar ao forno até estar dourada (cerca de 30-35 minutos);

– Retirar do forno, remover a folha de papel vegetal e as contas de cerâmica ou feijões e deixar arrefecer.

Lemon curd

– Juntar o açúcar, o sumo de limão e as gemas e misturar bem, juntar as folhas de verbena e levar a lume brando. Juntar a manteiga em pequenos pedaços e misturar bem;

– Deixar cozinhar lentamente sem levantar fervura e até ter a consistência desejada;

– Reservar e deixar arrefecer.

Compota de physalis

– Num tachinho juntar todos os ingredientes e levar a lume brando até obter uma compota ligeira;

– Reservar e deixar arrefecer.

Montagem da tarte

– Ligar o forno a 170 ºC;

– Dentro da tarteira com a caixa devidamente cozinhada colocar o curd de limão e levar ao forno por 10 minutos;

– Retirar do forno, deixar arrefecer, desenformar e servir com a compota de physalis.

Muka dourada*

Bolo de limão

70

Não quero ser do contra pelo facto de, como agora temos finalmente tempo decente (frio e chuva, entenda-se) venho eu para aqui feita esperta espetar receitas de coisas frescas e fofas. Nada disso, o problema é que tinha aqui esta receita guardadinha para vos apresentar mas ainda não tinha surgido oportunidade para a partilhar.

Por ocasião do aniversário do R. fiz este bolo que apesar do aspecto angelical (profundamente enganador) é um daqueles bolos que, ponhamos a coisa neste ponto, faz crescer pêlos no peito :). A utilização dos limões inteiros (apenas sem as sementes) transmitem uma intensidade cítrica acutilante e portanto só aconselhado a grandes amantes de limão e sabores ácidos e amargos.

(adaptado de: Mary Berry Cooks)

Ingredientes:

Bolo

– 1 limão pequeno

– 275 g de manteiga amolecida

– 275 g de açúcar refinado

– 275 g de farinha com fermento

– 1 colher de chá de fermento Royal

– 4 ovos

– Manteiga e farinha para forrar a forma

Recheio e cobertura

– 1 limão pequeno

– 150 g de açúcar em pó

– 50 g de manteinga amolecida

– 200 g de queijo creme

– Raspas de chocolate branco q.b

– Flores comestíves q.b.

Preparação:

– Cozer os dois limões num pequeno tacho e cobertos de água durante 20 minutos ou até estarem macios ao toque;

– Depois de cozidos, escorrer a água, cortar os limões ao meio e retirar as sementes;

– Ligar o forno a 180 ºC;

– Forrar uma forma de 24 cm de diâmetro (ou 2 de 20 cm) com manteiga e farinha e reservar;

– Colocar os dois limões no robot e picar deixando alguns pedaços mais grosseiros. Dividir a mistura em duas partes iguais;

– A uma parte da mistura juntar o açúcar, a manteiga e misturar bem;

– Juntar os ovos um a um mexendo bem entre cada adição;

– Adicionar peneirando a farinha e o fermento e mexer bem até obter uma mistura bem uniforme;

– Colocar a mistura na forma (ou dividir pelas duas formas) e levar ao forno por 30 minutos ou até o palito sair limpo;

– Quando cozinhado retirar do forno e deixar arrefecer completamente;

– Enquanto o bolo arrefece preparar o recheio: misturar muito bem a manteiga com o açúcar e adicionar o queijo creme envolvendo bem de modo a obter uma mistura homogénea. Juntar o limão triturado, misturar bem e reservar no frigorífico;

– Após frio, cortar o bolo a meio (ou no caso de ter feito 2 colocar um no prato e reservar o segundo) e colocar metade da mistura do recheio espalhando bem. Colocar por cima a outra metade (ou o outro bolo) e pressionar ligeiramente;

– Com a restante mistura barrar as laterais e parte superior do bolo;

– Decorar com as raspas do chocolate branco e as flores e servir.

Muka dourada*

Delícia de Outono

69

Apesar das temperaturas enganadoras, o facto é que já estamos no Outono e mesmo o meu cérebro não processando muito bem o facto de andar na rua de manga curta e a comer castanhas a verdade é que já só me apetecem receitas com produtos da época (dióspiros, marmelos, castanhas, etc).

Esta é uma receita que andava a namorar há já algum tempo e a propósito de uma promessa de docinhos à minha querida S. que tão bem cuida da minha juba leonina, acabei por fazer não um mas dois bolos 🙂 A receita é simples e rápida sendo que poderão fazer o caramelo antecipadamente e usá-lo para tudo o que vos apetecer 😉

(adaptado de: Self Proclaimed Foodie)

Ingredientes:

Bolo

– 120 g de manteiga amolecida

– 120 g de açúcar amarelo

– 60 g de açúcar refinado

– ½ colher de chá de flor de sal

– 1 ovo

– 240 g de farinha de trigo sem fermento

– 1 colher de chá de fermento Royal

– 1 colher de chá de bicabornato de sódio

– 1 colher de chá de canela em pó

– 1 colher de chá de noz moscada em pó

– Raspa e sumo de um limão

– 2 maçãs

 

Caramelo

– 240 g de açúcar refinado

– 100 ml de água

–  Opcional (1 colher de chá de flor de sal)

– 60 g de manteiga

– 200 ml de natas

Preparação:

Caramelo

– Num tacho colocar o açúcar e a água (se pretender um caramelo salgado juntar neste passo a flor de sal) e levar a lume brando até obter o ponto de caramelo pretendido e retirar do lume;

– Com cuidado, e de uma só vez, juntar a manteiga e as natas mexendo bem com uma vara de arames. Continuar a mexer até parar de borbulhar e ter um preparado homogéneo e com uma consistência mais fluída que a do caramelo convencional (ao arrefecer vai ficar solidificar).

– Reservar num frasco, deixar arrefecer e guardar no frigorífico;

– Para utilizar retirar a quantidade desejada para uma taça e levar ao microondas por alguns segundos para derreter.

Bolo

– Ligar o forno a 175ºC;

– Descascar as maçãs, cortá-las em fatias finas e reservar regando com o sumo e raspa do limão;

– Forrar uma forma quadrada 20×20 cm com papel vegetal;

– Juntar a manteiga, os açúcares e a flor de sal e mexer muito bem até obter um preparado cremoso e homogéneo;

– Adicionar o ovo e mexer muito bem até este estar completamente incorporado;

– Peneirar (uma ou várias vezes) a farinha com o fermento, o bicabornato, a canela e a noz moscada e juntar ao preparado anterior;

– Juntar a maçã (e os sumos que ficaram no recipiente) ao preparado do bolo envolvendo muito bem, colocar na forma e levar ao forno por 30 – 35 minutos ou até o palito sair limpo.

– Retirar do forno, regar com a quantidade de caramelo desejada e comer avidamente 🙂

Muka dourada*

Cookies de manga

68

Adoro domingos preguiçosos em que ficamos na ronha até tarde e após um pequeno-almoço tardio vem um almoço no mesmo alinhamento e a tarde fica por conta da cozinha com bolachinhas quentinhas a saírem 🙂 . A propósito de fazer bolachas vou-vos contar o meu gilty pleasure: fazer bolachas ao som do ESC 2015  🙂  (Elias, eu sei que tu estás comigo).

Estas amigas douradas nasceram da necessidade de gastar uma tablete de Pantagruel de manga que estava a finar-se e a opção óbvia parecia-me demasiado aborrecida (mousse de manga), portanto engendrei uma receita para incorporar o chocolate branco com sabor a manga numas belas bolachas com cor de Outono.

As bolachas ficam muito crocantes e é impossível comer só uma. Por favor não se esqueçam de as deixar arrefecer (pelo menos 3-4 minutos) no papel vegetal para não se desfazerem.

(rende cerca de 64 bolachinhas)

Ingredientes:

– 130 g de manteiga

– 100 g de chocolate branco com sabor a manga (cortado grosseiramente)

– 250 g de farinha sem fermento

– 1 colher de chá de fermento em pó

– 1 colher de chá de bicabornato de sódio

– 1 colher de chá de gengibre em pó

– 1 colher de chá de canela em pó

– 100 g de açúcar branco

– 100 g de açúcar amarelo

– 1 pitada de flor de sal

– 1 ovo

– 100 g de chocolate branco com sabor a manga (cortado finamente)

Preparação:

– Peneirar a farinha com o gengibre, a canela, o fermento e o bicabornato de sódio e reservar;

– Derreter a manteiga com o chocolate cortado grosseiramente (usei o microondas na função descongelar durante cerca de 3 minutos, mexendo regularmente para não criar grumos);

– Misturar os açúcares e a flor de sal e juntar a mistura da manteiga e chocolate derretidos mexendo bem até ficar homogéneo. Juntar o ovo e mexer bem;

– A este preparado juntar a farinha envolvendo bem sem mexer demasiado mas deixando a mistura homogénea;

– Juntar o chocolate finamente picado e envolver bem na mistura;

– Levar a mistura ao frigorífico durante 30 minutos;

– Ligar ao forno a 170ºC e formar o tabuleiro do forno com papel vegetal;

– Com a ajuda de uma colher de sobremesa fazer pequenas bolinhas, colocar no tabuleiro e utilizar um garfo para fazer efeitos (coloquei 16 por fornada com um espaço de cerca de 5 cm entre cada uma);

– Levar ao forno por 8-10 minutos (as bordas deverão estar douradas);

– Deixar arrefecer (de preferência ainda no papel e em cima de uma rede pois quando saem do forno ainda estão bastante moles).

Muka dourada*

Bolo de Limoncello

67

Cá por casa existe um ditado semi-popular-adapado-à-minha-realidade-totó que é: “Se a vida te der limões faz cenas muitas e várias e se tiveres paciência faz uma tarte merengada para o R.”. Ora neste caso não houve paciência para a tarte e saiu uma “cena variada” na ordem do licor de limão (aka Limoncello para os finos e entendidos do assunto) e um bolo de limão com o dito licor.

Como diria Irri (aia de Daenerys do GOT), é sabido que cá por casa se ama mais os limões (na base diária) que qualquer outro fruto, e portanto a quantidade de receitas que tenho com limões é tão grande que podia fazer um pequeno caderno exclusivamente com o dito como herói da receita (caderninhos esses que venderia alegremente na Feira sem Regras e cujas receitas reverteriam directamente para viagens a destinos fabulosos 😀 ).

No caso do bolo que vos trago é o ideal para estes dias medonhamente quentes mas que ainda assim pedem um bolinho a acompanhar um refresco ou quiçá uma limonada (para manter o tema 😉 ).

(adaptado de Zagleft)

Ingredientes:

– 300 g de farinha sem fermento

– Uma colher e meia de chá de fermento royal

– Uma colher e meia de chá de bicabornato de sódio

– 100 ml de limoncello + 3 colheres de sopa para a cobertura

– 100 ml de óleo

– Uma pitada de flor de sal

– 3 ovos

– Raspa da casca de 1 limão

– Sumo de meio limão

– 250 g de iogurte natural

– 200 g de açúcar amarelo

– Manteiga e farinha para forrar a forma

Preparação:

– Ligar o forno a 180 ºC;

– Barrar uma forma de bolo inglês com manteiga, polvilhar com farinha e reservar;

– Misturar iogurte, óleo, ovos, sumo de limão, raspa da casca de limão, açúcar, flor de sal, e limoncello e mexer muito bem até obter uma mistura homogénea;

– À parte peneirar juntamente a farinha, o fermento e o bicabornato 2 ou 3 vezes;

– Deitar delicadamente a mistura da farinha na mistura líquida, mexer suavemente e deitar na forma;

– Levar ao forno por 35-40 minutos ou até o palito sair limpo.

Muka dourada*

Bolo de cenoura coiso-e-tal

66Reza a lenda que a minha super-visão reside na quantidade industrial de cenouras que toda a minha vida comi. Mentira, a verdade é que sou filha do Super Homem 😛 e para além de super-visão consigo aplicar golpes mortíferos de sarcasmo e chicotadas letais de piadas secas.

Ora mas falando aqui deste amiguito que está a olhar para nós, e que é o que realmente interessa, fi-lo baseado numa torta mítica da minha mãe e que era feita apenas em épocas festivas (nomeadamente o meu aniversário 😉 ). O bolo fica muito húmido com uma consistência quase de pudim, uma delícia ;).Se preferirem menos doce podem reduzir a quantidade de açúcar (até porque as cenouras já têm frutose) e para um regime vegan, podem substituir os ovos (ver dica abaixo) e ficam um bolo delicioso e muito saudável.

Dica para substituir os ovos ( 5 gemas >> 2 colheres de sopa de fécula de batata + 3 colheres de leite de soja; 5 claras em castelo >> 125 ml de aquafaba [batida em castelo]).

Ingredientes:

– 500 g de cenoura cozida e reduzida a puré

– 5 ovos

– 380 g de açúcar amarelo

– Raspa de um limão ou de uma laranja

– Bolacha torrada triturada em farinha e manteiga para barrar a forma

– Chocolate para decorar (opcional)

Preparação:

– Ligar o forno a 170 ºC;

– Forrar uma forma sem buraco (ø 22 cm) com manteiga e a bolacha torrada finamente triturada (bater com a forma na bancada e retirar o excesso de farinha de bolacha torrada) e reservar;

– Separar as claras das gemas e bater as claras em castelo, reservar;

– Misturar muito bem o açúcar com as gemas;

– Juntar a esta mistura a raspa do citrino e o puré de cenoura, misturar muito bem;

– A esta mistura juntar um pouco das claras e misturar bem;

– Adicionar delicadamente as restantes claras em castelo;

– Levar ao forno por cerca de 45 minutos ou até o palito sair limpo;

– Deixar arrefecer e decorar a gosto.

Muka dourada*