Bolo de cenoura coiso-e-tal

66Reza a lenda que a minha super-visão reside na quantidade industrial de cenouras que toda a minha vida comi. Mentira, a verdade é que sou filha do Super Homem 😛 e para além de super-visão consigo aplicar golpes mortíferos de sarcasmo e chicotadas letais de piadas secas.

Ora mas falando aqui deste amiguito que está a olhar para nós, e que é o que realmente interessa, fi-lo baseado numa torta mítica da minha mãe e que era feita apenas em épocas festivas (nomeadamente o meu aniversário 😉 ). O bolo fica muito húmido com uma consistência quase de pudim, uma delícia ;).Se preferirem menos doce podem reduzir a quantidade de açúcar (até porque as cenouras já têm frutose) e para um regime vegan, podem substituir os ovos (ver dica abaixo) e ficam um bolo delicioso e muito saudável.

Dica para substituir os ovos ( 5 gemas >> 2 colheres de sopa de fécula de batata + 3 colheres de leite de soja; 5 claras em castelo >> 125 ml de aquafaba [batida em castelo]).

Ingredientes:

– 500 g de cenoura cozida e reduzida a puré

– 5 ovos

– 380 g de açúcar amarelo

– Raspa de um limão ou de uma laranja

– Bolacha torrada triturada em farinha e manteiga para barrar a forma

– Chocolate para decorar (opcional)

Preparação:

– Ligar o forno a 170 ºC;

– Forrar uma forma sem buraco (ø 22 cm) com manteiga e a bolacha torrada finamente triturada (bater com a forma na bancada e retirar o excesso de farinha de bolacha torrada) e reservar;

– Separar as claras das gemas e bater as claras em castelo, reservar;

– Misturar muito bem o açúcar com as gemas;

– Juntar a esta mistura a raspa do citrino e o puré de cenoura, misturar muito bem;

– A esta mistura juntar um pouco das claras e misturar bem;

– Adicionar delicadamente as restantes claras em castelo;

– Levar ao forno por cerca de 45 minutos ou até o palito sair limpo;

– Deixar arrefecer e decorar a gosto.

Muka dourada*

Anúncios

Coconut wonder

65

Agosto é um mês fabuloso! Habitualmente há férias neste mês, há Algarve nessas férias, há família que se vê só durante este período, ultimamente tem havido chuva (Yayyyyyy), há a chuva de meteoritos mais importante do ano e depois, claro está, há o meu aniversário 🙂 .

A propósito do meu aniversário resolvi fazer um bolo usando um ingrediente que nunca uso pois nem R. nem amigos próximos apreciam particularmente, o famigerado côco (que eu adoro tanto, tanto!!!). Ora, estava eu a lontrar nas minhas férias e a fazer zapping entre o 24Kitchen e o FoodNetwork quando me deparo com o programa da Trisha Yearwood e com as suas receitas maravilhosas, havendo uma que me gerou uma paixão imediata, a deste bolo fabuloso. Um detalhe fabuloso que me conquistou, para além do côco foi o facto de a farinha utilizada não ser exactamente farinha mas sim waffers de baunilha finamente trituradas J (usei um robot de cozinha – no caso Yammi) e assim que vi este ingrediente pensei “Pócaraças, este ano o bolo é SÓ para mim!!!!!” e pronto foi o que aconteceu 😀 .

Agora malta doida por côco, por favor façam este bolo!!!

(adaptado de Trisha’s Southern Kitchen)

(chávena medida de 240 ml)

Ingredientes:

Bolo

– 300 g de manteiga (à temperatura ambiente)

– 2 chávenas de açúcar

– 8 ovos (à temperatura ambiente)

– 1 colher de sobremesa de açúcar baunilhado

– 400 g de waffers de baunilha (finamente trituradas)

– 250 g de côco ralado hidratado (com 1 chávena e meia de água)

– ½ chávena de nozes (grosseiramente picadas)

– Bolacha torrada triturada em farinha e manteiga para barrar a forma

Calda

(rende calda suficiente para um bolo e mais um frasco de ¼ l)

– 1 + ½ chávenas de açúcar

– 2 colheres de sopa de maizena

– sumo e raspa de 2 limões

– 170 g de côco ralado hidratado (com 1 chávena de água)

– 1 + ½ chávenas de água

Preparação:

Bolo

– Ligar o forno a 160 ºC;

– Forrar uma forma de buraco (o ideal é uma forma de pão de ló) com manteiga e a bolacha torrada finamente triturada (bater com a forma na bancada e retirar o excesso de farinha de bolacha torrada) e reservar;

– Bater a manteiga e os açúcares até obter uma mistura cremosa e fofa;

– Juntar os ovos 1 a 1, mexendo muito bem entre cada adição;

– Juntar a farinha de waffer, o côco e as nozes. Mexer muito bem;

– Levar ao forno por 1h15min ou até o palito sair limpo;

– Retirar o bolo do forno, deixar arrefecer na forma durante cerca de 10 minutos e dp deixar arrefecer numa rede. Reservar.

Calda

– Juntar todos os ingredientes num tacho, mexer muito bem até obter uma mistura homogénea;

– Levar a lume médio durante cerca de 15 minutos ou até obter uma calda espessa;

– Deixar arrefecer ligeiramente;

Montagem

– Colocar o bolo no prato de servir (o ideal é um prato fundo);

– Fazer pequenos furos no topo do bolo;

– Colocar a calda por cima do bolo;

– Só para coconut lovers: Servir o bolo com mais calda!!!!

Muka dourada*

Clafoutis de framboesa

64

Culpada me confesso: gosto muito da França! Resumidamente, para além da óbvia paixão pela gastronomia francesa, gosto de falar francês (no meu modo fabulástico “comme ci, comme ça”), do cinema francês, de ouvir falar francês (e todas as suas mil variações consoante a região), e do Tour de France 🙂

A propósito desta minha paixão e do facto das framboeseiras dos meus pais estarem no pico da sua produção, aproveitei para fazer esta sobremesa que é assim um meio caminho entre tarte e pudim 😉

Esta é uma sobremesa originária da região de Limousin e tradicionalmente é confeccionada com cerejas com caroço, sendo servida ainda quente e com um pouco de natas ou gelado.

Claro que podem usar a fruta que vos apetecer e o melhor de tudo é que não só é super rápida de faze como podem servir na forma onde foi feita 😉

(adaptado de Marmiton)

Ingredientes:

– 400 g de framboesas frescas

– 60 g de maisena

– 125 g de açúcar amarelo

– 1 colher de sopa de açúcar baunilhado

– 1 pitada de flor de sal

– 2 ovos

– 2 gemas

– 250 ml de leite

– 200 g de natas frescas (crème fraî che)

– manteiga e açúcar branco q.b. (para barrar a forma)

Preparação:

– Ligar o forno a 180 ºC;

– Barrar uma tarteira de cerâmica com a manteiga e o açúcar branco;

– Colocar as framboesas na tarteira, reservar;

– Misturar a maisena com o açúcar amarelo, o açúcar baunilhado e a flor de sal;

– Juntar os ovos e as gemas e mexer bem;

– Juntar o leite e as natas e misturar muito bem;

– Deitar a mistura sobre as framboesas;

– Baixar a temperatura do forno para 150 ºC, colocar a tarteira e deixar cozinhar durante 30-40 minutos;

– Retirar do forno, deixar arrefecer muito bem e servir.

Muka dourada*

Mousse de limão à la Ruskita

63

Este foi um fim de semana intenso e cheio de emoções. Começou sábado com a final do ESC e uma patuscada com: o outro português que acompanha o evento 😛 (querido E. ainda havemos de ir a uma final ao vivo) e o resto da malta que aproveitou para ver senhoras jeitosas e gozar com as músicas 😀 Ficámos medianamente tristes pois estávamos a torcer pela Austrália (e pela Bélgica, Itália, Georgia e Bulgária), mas assim como assim mais valeu mais ganhar a Ucrânia que a Rússia (imitação de Messi, não me impressionaste 😛 ).

Para terminar o fim de semana, no domingo a festa foi vermelha e as águias voaram mais alto. De notar que eu sou sportinguista e o R. é benfiquista portanto pelo menos um de nós ficou contente 🙂

Mas o que importa mesmo (na verdade o que me importou mesmo foi o ESC mas pronto) foi esta mousse de limão de-li-ci-o-sa que fiz para comermos enquanto ouvíamos a Ira Losco e Laura Tesoro 🙂 Não é a sobremesa mais fácil e rápida de fazer mas garanto-vos que vale o esforço e tempo gasto 😉

(adaptado de Saveur)

Ingredientes:

– 8 ovos

– 3 limões (raspa e sumo)

– 100 g de manteiga

– 180 g de açúcar amarelo

– 5 colheres de sobremesa de açúcar em pó

– 1 colher de sobremesa de açúcar baunilhado

– 400 ml de natas (2 pacotes)

– 2 colher de café de sumo de limão

Preparação:

Curd de limão

– Separar 4 claras das gemas e reservar;

– Misturar as 4 gemas com os 4 ovos e o açúcar amarelo (sem mexer demasiado para não incorporar muito ar na mistura);

– Juntar o sumo e o zeste de limão e misturar de modo a obter uma mistura homogénea;

– Numa caçarola colocar a manteiga e a mistura dos ovos e levar a lume muito brando, mexendo sempre (com uma colher de pau) até engrossar (deverá ficar com a consistência do leite creme);

– Passar por um coador e deixar arrefecer.

Merengue

– Bater em castelo as 4 claras e juntar 1 colher de café de sumo de limão;

– Juntar uma a uma as 2 colheres de sobremesa de açúcar em pó (colocar a segunda só após a primeira estar devidamente incorporada).

Natas

– Bater as natas com as 3 colheres de sobremesa de açúcar em pó, a colher de sobremesa de açúcar baunilhado e 1 colher de café de sumo de limão, até estas estarem firmes.

Mousse

– Quando o curd estiver bem frio juntar suavemente as natas batidas e por fim as claras batidas em castelo, envolvendo suavemente;

– Servir com um pouco de raspa de limão.

Muka dourada*

Bolo de pêssego e natas

62Com a chegada de Maio chegam também os dias maiores, mais quentes e a vontade de comer coisas mais leves e frescas. Apesar de nos últimos dias estar uma chuva diluviana tal não invalidou a minha vontade teimosa de fazer este bolo tão fresco e saboroso.

Apesar desta chuva ser um aborrecimento para os milhares de estudantes que hoje participam no cortejo da Queima das Fitas a verdade é que o nosso jardim agradece e retribui 🙂 (refeições no jardim em 3, 2, 1…)

Nada temam adoradores do Sol, o Verão está aí ao virar da esquina e garanto-vos que num daqueles dias mais quentes em que vos apetece uma bela fatia de bolo esta é a melhor opção ;).

 (adaptado da revista Continente Magazine de Maio de 201, pág. 58)

Ingredientes:

Bolo:

– 6 ovos

– 275 g de açúcar amarelo

– 50 ml de leite

– 50 ml de óleo de girassol

– 200 g de farinha sem fermento

– 1 colher de chá de fermento em pó

Recheio e cobertura:

– 67 g de açúcar em pó

– 400 ml de natas bem frias

– sumo de ½ limão

– 1 lata de pêssego em calda

– 150 ml de calda do pêssego

Preparação:

– Ligar o forno a 180 ºC;

– Para o bolo: peneirar a farinha com o fermento e reservar;

– Bater os ovos com o açúcar até obter uma mistura fofa e esbranquiçada;

– Juntar o leite e o óleo e misturar bem;

– Adicionar a farinha e fermento à mistura anterior, misturar bem e levar ao forno, numa forma previamente untada com manteiga e polvilhada com farinha, durante 25 a 30 minutos ou até o palito sair limpo;

– Assim que estiver cozido retirar do forno, desenformar sobre uma rede e deixar arrefecer completamente;

– Com a ajuda de uma faca ou fio próprio para o efeito, cortar o bolo a meio;

– Colocar a metade de baixo (com a parte cortada virada para cima) no prato de servir e colocar metade da calda do pêssego. Colocar a outra metade num prato de apoio e repetir o processo (de notar que a calda é sempre colocada na parte que foi cortada de forma a ser bem absorvida). Reservar;

– Para o recheio: bater as natas com o açúcar e o limão durante alguns minutos. Reservar no frio;

– Reservar duas metades de pêssego e picar grosseiramente as restantes. Colocar o pêssego picado numa taça, juntar 2/3 do preparado das natas e misturar bem;

– Colocar esta mistura por cima da metade do bolo (que está no prato de servir), colocar a outra metade por cima (a parte cortada para baixo);

– Decorar o bolo com o resto do preparado das natas e o restante pêssego cortado em finas fatias.

Muka dourada*

Tosta de petinga

61

Pelo cantar da Fuskita percebe-se que já é Primavera (ela canta aos pássaros que esvoaçam no jardim) e com esta temperatura tão agradável começam a apetecer refeições mais ligeiras assim num meio termo entre o petisco e uma refeição mais completa.

Por aqui os peixes de conserva são grandes heróis e confesso-me uma pessoa muito feliz com uma lata de filetes de atum Santa Catarina com batata doce (que saudades…) e umas fatias de broa a acompanhar. Como tal, sempre que há oportunidade utilizamos estas conservas para preparar pequenas entradas para os amigos ou mesmo, como foi o caso, preparar um jantar mais rápido e ligeiro.

Esta receita é muito barata e bastante rápida de fazer e o ideal para este fim de semana grande 😉

(adaptado da Dica da Semana de 7 de Abril de 2016 pelo chefe Hernâni Ermida)

Ingredientes:

– 1 lata de petingas de conserva

– 7 fatias de broa de milho cortadas ao meio e torradas

– 1 cebola

– 3 dentes de alho

– 1 cenoura ralada

– 3 folhas de couve branca finamente cortadas

– 1 folha de louro

– 2 colheres de sopa de vinagre de cidra

– sal q.b.

– pimenta moída na hora q.b.

– azeite q.b.

– Folhas de orégãos frescas para decorar

– Flores de cebolinho para decorar

Preparação:

– Escorrer o azeite/óleo das petingas para uma frigideira, juntar um pouco mais de azeite, colocar a cebola cortada em meias luas fininhas e o alho picado e levar a lume médio a forte até a cebola estar translúcida;

– Juntar a cenoura, a couve, o louro, temperar com sal e pimenta e levar ao lume durante alguns minutos;

– Juntar o vinagre, desligar o lume, tapar e deixar repousar por alguns minutos;

– Fazer a montagem da tosta colocando o preparado da cebola por cima da fatia de broa torrada, as fatias de pickle e depois a petinga aberta ao meio;

– Temperar com um pouco mais de pimenta moída na hora e decorar com a raspa do limão, as folhas de orégãos e as flores de cebolinho.

Muka dourada*

Tarte tatin de banana

60.jpgO consumo de fruta e vegetais é fundamental para uma alimentação equilibrada. Ora se essa fruta estiver caramelizada e envolta em massa folhada bem douradinha sou rapariga para também gostar 😉

Durante o Inverno a fruta principal cá por casa acaba por ser a banana por ser uma fruta mais “quente” e reconfortante, havendo sempre algumas na fruteira. Estávamos a fazer zapping quando vemos o meu “amigo” Gordon Ramsay no seu programa a fazer esta tarte com a sua filha. Confesso que não sou a maior fã da persona Gordon Ramsay mas gosto da simplicidade das receitas que ele muitas vezes apresenta e como na realidade são fáceis de fazer e com bons resultados finais 🙂

Esta receita é uma pequena bomba de hidratos de carbono e gordura mas acreditem que vale mesmo a pena e depois pensem bem, é fruta!!!

(adaptado de Gordon Ramsay)

Ingredientes:

(chávena medida de 240 ml)

– 1 pacote de massa folhada redonda

– 8 bananas médias descascadas e cortadas em pedaços de ≈ 3cm

– 1 chávena de açúcar amarelo

– 1 vagem de baunilha

– 150 g de manteiga

– Pimenta da Jamaica q.b.

Preparação:

– Ligar o forno a 200ºC;

– Colocar a manteiga no fundo de uma frigideira que possa ir ao forno (ou forma sem buraco) de 24 cm Ø, pressionando uniformemente por todo o fundo;

– Por cima da manteiga colocar uniformemente o açúcar, as sementes raspadas da vagem e a vagem em cruz;

– Moer um pouco de Pimenta da Jamaica colocando-a por cima do açúcar e das sementes de baunilha;

– Dispôr os pedaços de banana por cima do açúcar até o fundo ficar completamente preenchido;

– Colocar a massa folhada por cima das bananas, ajustando bem nos lados (aconchegar a massa para dentro) e fazer um furo no meio da massa;

– Levar a lume médio a forte para caramelizar e com a ajuda de uma colher ir colocando o caramelo que se forma por cima da massa (vai fazer com que ela fique mais crocante);

– Quando o caramelo estiver bem douradinho e começar a cheirar a banana, levar ao forno por cerca de 20 a 25 minutos ou até a massa estar bem folhada e dourada;

– Retirar do forno e deixar arrefecer um pouco, com a ajuda de uma faca libertar a massa das paredes da frigideira, desenformar e servir.

Muka dourada*